Área do Integrador

Wireless x Cabeado: Qual é o melhor sistema para a casa automatizada?

Saiba de uma vez por todas qual tipo de automação residencial é mais apropriada para seu projeto de casa automatizada!

Investir em automação wireless ou contar com um bom sistema de casa automatizada cabeado?

Todos os dias, recebemos contatos de empreendedores que buscam investir pela primeira vez em automação residencial. Após tomarem conhecimento de nossas soluções, essa pergunta crucial logo entra em cena.

Sim, entendemos que a capacidade técnica e comercial é essencial para respondermos aos nossos potenciais integradores de automação.

Diante deste cenário, certos integradores consideram que os sistemas sem fio, são básicos demais, o que é um grave erro. Ou mesmo, pensar que a automação cabeada está datada por sua robustez ou complexidade – o que é uma afirmação também incerta.

Nesta postagem, esclarecermos de vez esta dúvida em quatro pontos essenciais antes de apostar na melhor solução para casa automatizada.

As vantagens e desvantagens da automação wireless
 Automação Wireless na Casa Automatizada

Impulsionada pelo desenvolvimento da internet sem fio e do mobile, as soluções em automação wireless tiveram sucesso nesta década. Após superar anos de desconfiança quanto à sua conectividade, hoje o mercado aceita amplamente esta tecnologia.

Mais do que isso, o futuro da casa automatizada parece caminhar para a direção dos sistemas de automação sem fio. É o que percebemos na redução progressiva de seus custos de instalação hoje apenas cerca de 1% do investimento inicial em obras.

Para o integrador, a opção por este modelo de automação sem fio é excelente para começar em seu primeiro negócio.

Principalmente pela facilidade de instalação e manutenção que estes sistemas estão associados.

Geralmente, a instalação é feita através de central plug and play e dispositivos (micromódulos e atuadores) instalados junto aos sistemas residenciais.

Para associar demais dispositivos utilizados na casa automatizada, é feita a sincronização através de protocolos, como Wi-Fi e bluetooth. Este método é ainda mais simples em certas soluções, que se associam à tecnologia QR para cadastrar estes equipamentos.

Sem dúvidas, a automação wireless é uma solução valorizada para múltiplos públicos, pois leva flexibilidade para projetos em diversos ambientes. Seja na automação corporativa ou de casas, o tempo de instalação é curto e o produto expansivo para novas aquisições.

Por exemplo, é possível oferecer uma automação restrita ao controle de iluminação e áudio e vídeo ou climatização, somente. As possibilidades são diversas, ainda incluem:

Contudo, em comparação com as soluções cabeadas, esses sistemas oferecem desvantagens quanto à proteção de rede. As soluções high-end podem ser associadas à aterramento e sistemas de recuperação de energia, funcionando em casos de apagão.

As vantagens e desvantagens da automação cabeada
Automação Cabeado na Casa Automatizada

As soluções cabeadas são plataformas de alto nível em controle de smart home. Trabalhando cinco pilares essenciais – iluminação, climatização, segurança, áudio e vídeo, cortinas motorizadas – é ideal para consumidores experientes e projetos complexos.

Por que temos esta perspectiva?

Estes projetos prescindem de cabeamento integrado à rede elétrica e instalação em quadro, além de módulos de endereçamento, relés e comandos. Com isto, torna-se necessário um alto custo de entrada para investir na casa automatizada – estima-se de 5 a 10% da obra.

No entanto, estas soluções são recompensadas pelo seu valor a longo prazo e desempenho. Os sistemas tem grande escalabilidade – sua performance não é afetada com a inserção de novos dispositivos – e altamente resistente às descargas elétricas.

Estas características fazem com que uma casa automatizada tenha alcance ilimitado para controle, o que é geralmente restrito ao raio no entorno de uma central wireless. A precisão de acionamento é instantânea, ao passo que os sistemas sem fio registram certa latência.

Em termos comerciais, a opção por uma solução high-end é interessante para o integrador, à medida que permite explorar nichos como o mercado de retrofit e construtoras.

Nestes projetos, o integrador tem grande oportunidade de lucro com toda a automação. Além da instalação, não é muito incomum que a obras de grande porte necessitem de acompanhamento e assessoria do trabalho de infraestrutura, o que pode ser cobrado.

De certa forma, o custo de entrada pode restringir o alcance de público-alvo para sua empresa de automação residencial. Contudo, o valor agregado de grande projetos compensam a aposta nestas soluções.

Definindo as preferências dos clientes
Preferências dos Clientes de Automação

Em postagem anterior, destacamos como é importante que o integrador mantenha uma abordagem centrada no cliente durante seus projetos de automação.

Considerando que cada case é único, é sempre necessário fazer entrevistas com uma abordagem que explore as queixas e preferências do consumidor. A partir deste ponto, a criação da infraestrutura terá menos chances de erros ou as temidas reavaliações futuras.

Lembre-se, é essencial que você esteja atento aos atributos de usabilidade, sustentabilidade e conforto da automação.

Relativo à usabilidade – as características que tornam possível executar tarefas com objetividade -, verifique quais interfaces são as mais apropriadas ao seu cliente.

Hoje, tanto a automação wireless quanto cabeada possuem múltiplas entradas para comando mobile (tablet e smartphones), assistentes inteligentes e smartwatches. No entanto, é preciso observar quais compatibilidades são oferecidas por cada fabricante.

Também existem outros recursos específicos agregados ao uso, que facilitam o dia-a-dia do usuário, como agendamento de cenas, comandos e acesso remoto.

Em relação à sustentabilidade – a capacidade de economizar recursos ambientais e financeiros -, em quanto tempo seu cliente espera obter retorno sobre o investimento?

Como abordamos no tópico passado, o custo de entrada, na maioria das vezes, não é compensado no curto prazo. Na automação cabeada, mesmo com a economia de energia elétrica e água gerada , este período será ainda mais longo.

Finalmente, o conforto da casa automatizada diz respeito às necessidades de seus clientes. Toda estrutura de automação – isto é, os sensores, atuadores e demais periféricos – deve potencializar a autonomia do usuário.

Um exemplo disso, está na automação assistiva. Para um projeto como este, é preciso customizar, reduzindo deslocamentos e escolhendo as interfaces de comando mais adaptados às limitações de usuários.

Considerando estes fatores, você saberá qual modelo de casa automatizada será mais útil, econômico e viável ao cliente.

Escolhendo a instalação da rede de dados
Instalação de Rede de Dados

Finalmente, voltemos a um tópico importante para, enfim, “batermos o martelo” sobre o melhor tipo de automação: a infraestrutura de rede.

Para que a casa automatizada funcione, garanta que a transmissão de dados seja compatível à largura de banda exigida pelos equipamentos. Afinal, imagine quantos aparelhos estão conectados a um mesmo sistema domótico… mais de uma dezena!

Construir esta infraestrutura é um investimento complementar à instalação da rede elétrica (que alimenta os sistemas) e ao custo dos dispositivos necessários à automação.

Os sistemas de automação cabeada podem ser associados tanto à redes de cabeamentos blindados ethernetCAT7, por exemplo – ou modem Wi-Fi. Sem dúvidas, a primeira opção para operações que exigem troca de alto volume de dados, como imagens de CFTV.

Entretanto, a transmissão cabeada tem a mesma implicação de custos e inflexibilidade comuns à automação high-end. Se você instalou um dispositivo em um cômodo do ambiente e quer mudar, talvez tenha de modificar todo o caminho de conduítes.

Que tal então apostar em uma rede de transmissão wireless?

Estas estruturas funcionam por meio de modems que operam por frequência Wi-Fi (séries IEEE 802.11). Totalmente livre de cabos e fácil de configurar, seu custo agregado de equipamentos e instalação é substancialmente menor para o cliente.

Mas nem todos os espaços físicos possuem o alcance ideal de sinal para a automação, por conta de barreiras (paredes, móveis).

Para resolver este problema – o que pode encarecer o orçamento – será preciso adquirir reprodutores, antenas ou mesmo construir uma rede em malha. Aliás, o crescimento as Mesh Wi-Fi são uma das grandes apostas do setor de automação em 2018.

Portanto, é preciso ser franco com o cliente. A instalação de uma casa automatizada, independente do modelo escolhido, só terá qualidade com uma boa rede instalada.

Conclusão

Se você chegou até aqui, é porque realmente está interessado em prosseguir no mercado de casa automatizada.

Considerando estes fatores, avaliamos que você terá condições de escolher o melhor sistema de automação para seus clientes.

No mais, existem fatores estéticos e arquitetônicos que podem influenciar na sua escolha. Por exemplo, os apartamentos compactos se ajustam mais facilmente ao wireless, enquanto áreas de grandes dimensões tendem a optar pelas soluções cabeadas.

O próximo passo é escolher a melhor marca para o seu modelo de negócio.

Para a boa qualidade em smart home, é preciso confiar em soluções reconhecidos pela autonomia, sustentabilidade e confiança ao cliente e ao integrador. Só um sistema que combine a flexibilidade de customização e robustez pode proporcionar estes atributos.

Que tal apostar em soluções híbridas – sistemas high-end cabeado com elementos sem fio? Conheça neste link mais sobre o nossa solução de automação Module Compact.



Empresa Beneficiada pela Lei de Informática nº 8248/91
Nossa Politica é : “Fornecer produtos que satisfaçam os requisitos dos clientes e do sistema de gestão da qualidade comprometidos com a sua melhoria contínua”.